Book trailer do livro URÂNIOS

Numa sociedade em que se prevalece a valorização da monogamia ou do amor romântico, falar sobre a vivência do poliamor ou dos relacionamentos abertos ainda causa espanto – até mesmo nas mais modernas uniões LGBT. Mas é de maneira humana, profunda e livre de preconceitos ou clichês que o escritor e mestre em literatura Roberto Muniz Dias abre a discussão e traz à tona o assunto em seu quarto livro, “Urânios” [Metanoia], que aborda os sabores e dissabores da relação de um casal formado por três homens. E que supre a lacuna de obras brasileiras sobre o tema. (Neto Lucon)

“Tudo tem um começo. Pelo menos para as histórias, sejam em quaisquer das articulações com as verdades de cada um. O princípio pode ser por uma mentira. Se ela for bem contada, pode parecer História. E para ser História bastam dois ingredientes: uma presunção de verdade e um idiota para creditá-la valor. Eu fui o idiota. E tem sido assim por muito tempo. Muitas histórias contadas e muitos idiotas que a vivem.

Vivi essa história com intensidade. Todos já eram adultos. Não vai ser necessário o passado para entender o presente e o futuro das coisas acontecidas. Elas por si só se encaminharam nesses anos de convívio. Personagens, pano de fundo, um enredo e uma duração no tempo. Estava pronta a história. No entanto, ela tem um princípio; ela foi me dada sem muitas limitações. Fui testemunha do tempo deles; da velocidade na qual tudo se passou. Às vezes podia ser tão natural; às vezes parecia tão impreciso quanto o destino poderia se revelar. Eis a minha verdade:”

Onde comprar: http://www.metanoiaeditora.com/loja/products/Ur%E2nios.html

In a society in which prevails monogamy and romantic love, talking about the experience of polyamory or open relationships still cause amazement – even in the most modern LGBT unions. But is in human, deep and free of clichés or prejudices ways that the writer and literature teacher, Roberto Muniz Dias, open the discussion and brings up the subject in his fourth book, “Urânios” [Metanoia Publishing House], which addresses the flavors and disappointments of a relationship formed by three men. And that fills the gap of Brazilian works on the subject. (Neto Lucon, Literature Journalist)

“Everything has a beginning, at least for the stories, at any of the joints with the truths of each one. The beginning can be a lie, if it is well told, can transform into History. And to be so, just two ingredients are enough: a presumption of truth and an idiot to credit its value. I was an idiot. And it’s been this way for a long time. Many stories had been told and many idiots had been lived that way.

I lived this story with intensity. All were already adults. The past will not be necessary to understand the present and future of things that happened. They themselves were heading these years all together. Characters, backgrounds, storyline and duration in time. The story was ready. However, it had a beginning; it was given to me without many limitations. I was a witness of their time; the speed at which everything happened. Sometimes it could be so natural; sometimes seemed as imprecise as fate would unfold. That is my truth:”

Where to buy: http://www.metanoiaeditora.com/loja/products/Ur% E2nios.html