Minhas mães e meu pai (The Kids are all right)

Sobre a teoria da Identificação já falei em posts anteriores. A questão de enxergar-se do outro: na página seguinte, da letra, da tela.

E outra teoria se forma. Não é nova, mas pertinente. Como se portar diante do novo, quando nos confrontamos com a possibilidade de sairmos da clausura de nossa segurança?

Talvez seja isso que observo nas entrelinhas. Por que o fica claro sobre o que tematiza o filme THE BOYS ARE ALL RIGHT, ou como ficou no Português MINHAS MÃES E MEU PAI, que conta a história de dois irmãos que procuram o pai doador do sêmem que gerou em cada uma de suas mães Joni e Laser, filhos do casal Nic e Jules, respectivamente a brilhante  Annette Begining e  Julianne More. A história poderia ser assim resumida. Uma história que funcionaria como clichê não fosse a intenção real do filme.

O pai procurado é o charmoso Mark Ruffalo que empresta o estilo largado, ligeiramente irresponsável, bon-vivant ao personagem Paul . Este é o verdadeiro fio condutor ou desviante dos caminhos preparados pelas mães preocupadas com os rumos da criação dos filhos. Não se pode negar o componente estrutural do casal, que se reflete no novo molde de familiar hodierna. A família tradicional, mormente a americana, vive em crise conceitual. A família tradicional americana reflete e reverbra a figura inanimada do pai presente-ausente-vazio personificado no personagem Homer Simpson do cartoon Os Simpsons. Não é a toa que estudos têm sido empreendidos na análise sociológica da alegoria existente neste personagem. Mas esse não é o assunto deste post. A condição vivida pelos filhos do casal protagonistas do filme poderia ser facilmente apontada e pontuada pela instabilidade ou anormalidade do casal lésbico- especialmente pelos censores ortodoxos da família tradicional. No entanto, a existência dos problemas na adolescência pode ser observada em qualquer família, digamos, tradicional- convencional.

A tomada inicial é a reprodução de uma cena comum na vida de muitas famílias. A reunião a mesa numa hora de refeição é campo propício para as reflexões diárias, um resumo das atividades e um reencontro da família separada pelo tempo,trabalho, escola. Enfim, a cena inicial reproduz a vida almejada dentro de uma família: a estabilidade emocional.

Mas não poderia ser diferente nessa família ainda não convencional. No entanto, as cores do drama são intensificadas pela ultrapassagem da linha de conforto que norteia a vida do casal lésbico modelo e dos filhos criados sob a mais rígida educação. Mas a linha não impede as falhas, o desgaste, o outro. E assim, esse outro invade o espaço, na pele do charmoso Paul. Esse elemento novo é simplesmente o doador de sêmem do qual surgiu os filhos do casal lésbico. A aventura de Joni a procura desse Pai-doador redunda no encontro com Paul que se sente interessado em ser procurado por sua filha Joni.

Enquanto isso, adentra-se no mundo apartados e desiguais das famílias vividas pelo casal e pelo solteirão Paul. As vidas são entrelaçadas pelo envolvimento dos filhos que gradualmente inseriam o Pai no contexto familiar. Esta imersão adentra numa seara que questiona a estabilidade da concepção na qual o casamento gay se estabelece numa antítese do que une o casal hétero. Nesse aspecto, as tensões do casal lésbico que entra em crise tem como elemento ocasionador a fragilidade de Jules e o interesse de Paul deixar a vida mundana e assumir uma família.  O triângulo surge como uma verdadeira válvula de escape, para as inseguranças de Jules e o desejo recôndito do Pai-doador-do-sêmem. Aqui o filme encontra seu ápice, causando uma constatação inquietante cuja revelação instiga a se repensar a questão de nossa sexualidade.

No final, diga-se de passagem, a atuação de Annette Bening pode render-lhe um Oscar, a maturidade da relação é retomada na assunção da divisão das culpas, da qual sempre a atenção ao parceiro é sempre um dos caminhos para o reforço da relação.

Além da mensagem geral sobre nosso comportamento diante do novo, repensando os valores que compõe nossas escolhas; outras questões se perfilam no desenho desta história. Questões como a liberdade no casamento; a prudência na solteirice devem ser analisadas. No filme em tela, a sensata conclusão que temos é que o amor que se erige dentro de uma família nunca terá sexo. As vidas poderão ser apartadas, mas o que sustenta qualquer tipo de relação é a eterna observância da existência e permanência do amor

 

Anúncios

2 comentários em “Minhas mães e meu pai (The Kids are all right)

  1. Obrigado caro Amigo Celso.
    O filme é excelente, claro se você abstrair os clichês. No entanto, vendo as atuações, especialemente de Bening, o filme é um ótimo drama.
    Além de por em questão alguns temas recorrentes, mas nem sempre notadas, sobre relacionamentos.
    Obrigado novamente,

    Abraços,

    Roberto Dias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s