Saiu no Correio Braziliense

EditorEditoras virtuais que publicam livros sob encomenda começam a surgir no país Publicação: 26/08/2009 09:25 Atualização: 26/08/2009

Editora: Ana Paula Macedo

Para escritores desconhecidos no mercado editorial, publicar um livro com o apoio de uma editora tradicional é tarefa difícil. Em muitos casos, uma boa rede de contatos tem mais importância do que um bom material para que alguma editora se interesse pelo trabalho do autor. Porém, alguns sites na internet, inspirados em iniciativas já consolidadas no mercado norte-americano, trazem uma nova proposta: publicar obras literárias sob demanda, com tiragens sem limite mínimo de cópias e com o benefício de não haver restrição temática. Quando o empresário C. André, 45 anos, descobriu um site que oferece esse tipo de serviço, constatou: “Era isso que eu precisava”. O carioca, que mora em Brasília, mandou o livro que escreveu para editoras fora da cidade há três meses, mas ainda não obteve resposta. “Com esses sites, há a vantagem da agilidade e da democratização”, destaca. Ele exemplifica com os variados tipos de gêneros literários encontrados nessas páginas da internet. “Você encontra dissertações, poesia, autoajuda, romances.”

O professor de inglês Roberto Muniz  Dias, 33 anos, viu na internet a possibilidade de lançar seu material “sem limitações”. Roberto tem quatro títulos publicados em um site, que, juntos, venderam cerca de 200 cópias. “Não dá pra precisar a quantidade, mas eu sei que pessoas de várias partes do Brasil tiveram contato com o meu trabalho. Isso é muito gratificante”, destaca. A Câmara Brasileira do Livro (CBL) registrou, no ano passado, o lançamento de, aproximadamente, 19 mil títulos inéditos. Ricardo Almeida, diretor-geral do site Clube de Autores, no ar desde fevereiro deste ano, tem 1,6 mil livros em seu acervo – o que representa 8,5% das obras conhecidas como primeira edição publicadas em um ano no Brasil. “Esses números são surpreendentes e significativos”, afirma. A técnica O processo técnico dessas edições sob encomenda é simples: o autor se cadastra no site e envia sua obra em padrão A5, com o arquivo no formato PDF. Na página do Clube há um guia para explicar como se faz essa configuração. O site, então, calcula os custos para imprimir e distribuir a obra – de acordo com a quantidade de páginas – e, em seguida, o autor informa quanto quer ganhar, por cópia, com direitos autorais. O livro, cuja capa pode ser feita pelo próprio autor, não tem orelha, nem texto na lombada . Outro site brasileiro com trabalho semelhante é o Armazém Digital. Felipe Rangrab, da editora de Porto Alegre, sustenta que projetos do tipo “são uma alternativa fácil, barata, e rápida para que os autores possam publicar suas obras.” De livros didáticos a publicações em multimídia (CDs e DVDs), o site abriga material de cerca de 100 autores. A Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE) é um site cujo serviço que oferece é um pouco diferente das duas páginas de internet citadas acima. Ela publica pequenas tiragens, a partir de 30 exemplares. Isso também é vantajoso para o escritor, já que editoras comuns não trabalham com tiragens menores que mil exemplares. “Com muita negociação, você consegue fazer o mínimo de 500, mas o custo é alto, pode chegar a R$ 10 mil”, revela Luis Satie, 46 anos, que também usou a internet para lançar os 10 livros que já escreveu. O autor tem a opção de enviar o texto do livro em Word, por e-mail ou pelo correio. Todo o trabalho de arte é feito pela editora, como a diagramação do miolo e a criação da capa. Além do bloqueio O caso de Satie, auditor federal de controle, é curioso. Ele chegou a ter um livro aprovado por uma editora mineira que, de última hora, desistiu da ideia. Por isso, decidiu divulgar o próprio trabalho por outros meios. “A gente que produz fica angustiado, com o texto na mão, e a internet permite que a gente consiga superar esse bloqueio imposto pelas editoras, esse muro de Berlim”, assegura. “Tem muita gente boa escrevendo e esses sites são bons aliados para divulgar”, ressalta. No entanto, apesar dos pontos positivos, os três escritores de Brasília veem algumas desvantagens nesses projetos. C. André e Luis Satie concordam que o custo de produção dos livros publicados é alto, o que dificulta uma margem de lucro significativa. “O problema da impressão por demanda é que o custo unitário acaba ficando alto, pois concentra vários componentes da logística de edição e impressão em poucos exemplares. Do valor do meu livro, por exemplo, eu só fico com R$ 6”, lamenta André, cujo livro custa R$ 43,65. Outro problema levantado por Roberto Dias é a pouca visibilidade que esse meio de publicação traz. “Um site não tem o poder de exposição que uma editora conhecida tem.” Mas André não considera isso relevante para quem só deseja ver a obra concretizada e não se preocupa tanto com a divulgação. E cita o escritor Jorge Luiz Borges para justificar essa opinião: “O autor publica um livro para se ver livre dele, senão fica reescrevendo, reescrevendo%u2026” SITES PARA PUBLICAR LIVROS No Brasil: http://clubedeautores.com.br/ http://www.armazemdigital.com.br/ http://www.camarabrasileira.com/ No exterior: http://www.lulu.com/ http://magcloud.com/ http://www.blurb.com/ http://www.bubok.com/ TEMA DAS OBRAS DOS PERSONAGENS DA MATÉRIA » C. André: fala sobre atitudes individuais que podem mudar um ambiente social. » Luis Satie: relação entre direito e estética » Roberto Dias: poesias, contos e livros com temas de monografia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s